Siga-nos nas Redes Sociais

Pirataria

Estudo mostra declínio de pirataria entre jovens da União Europeia

Sou Legal

Publicado

em

Photo by NeONBRAND on Unsplash

O novo estudo, Intellectual Property and Youth Scoreboard, publicado pela European Union Intellectual Property Office, a agência da União Europeia responsável pelo registro de marcas e propriedades intelectuais, traz informações animadoras sobre o comportamento dos jovens de 15 a 24 anos em relação à pirataria.

Vários veículos de imprensa repercutiram os resultados, entre eles o Torrent Freak, blog dedicado a reportar as últimas notícias e tendências no protocolo BitTorrent. O objetivo do estudo foi entender melhor o que motiva e quais as barreiras, entre jovens de 15 a 24 anos, para obter conteúdo digital online ou comprar produtos físicos, ambos legal e ilegalmente.

Foram entrevistados 23.507 jovens da União Europeia, entre 3 de junho e 8 de julho. De acordo com a matéria da TB, o estudo mostra que 51% dos jovens de 15 a 24 anos não piratearam nenhum conteúdo digital durante os últimos 12 meses. Aproximadamente um terço admite consumir conteúdo de origem ilegal, mas é raro para os jovens confiar exclusivamente em material pirata. No geral, 80% da amostra usa fontes licenciadas para acessar conteúdos digitais.

Em linha com o estudo de 2016, música se mantém o conteúdo mais popular entre jovens. 97% reproduz ou baixa música; 94% baixa ou reproduz filmes e séries; 92% jogos. Aproximadamente oito em cada dez acessam conteúdo educacional (82%) com número similar acessando outros programas de TV ou esportes (79%).

Nem todos esses consumidores acessam conteúdo legalmente. O estudo verificou que por volta de um terço usa fontes não licenciadas, mas isso é cinco pontos percentuais abaixo dos achados do estudo de 2016.

Outro detalhe é que esses 33% são divididos: 21% diz que pirateiam intencionalmente, e 12% diz que seu consumo ilícito não é intencional. Os jovens que usam fontes ilegais intencionalmente para acessar conteúdo digital o faz principalmente para acessar filmes e séries.

O estudo também detectou que tem havido um notável decréscimo daqueles que usam fontes ilegais para acessar música – enquanto quase todos os jovens baixam ou reproduzem música online, somente 39% intencionalmente usam fontes ilegais para acessar música – um declínio de 17 pontos percentuais desde 2016.

As motivações para deliberadamente usarem fontes ilegais não são novas. Mais da metade (56%) cita o preço como um fator (10 pontos abaixo de 2016), mas apenas menos de um terço (30%) diz que frequenta plataformas ilícitas devido o conteúdo não estar disponível legalmente ou baseado na percepção que sites piratas oferecem uma maior possibilidade de escolha (26%).

Há algumas razões que fariam os jovens não usarem mais fontes ilegais para acessar conteúdos digitais. Por exemplo, ter uma oferta mais econômica (55%), seguido pelo risco de punição (35%) e uma má experiência pessoal (29%).

O estudo também destaca que não há uma correlação entre o consumo intencional de conteúdo ilegal, com mais consumo geral de produtos digitais. Enquanto a maioria dos respondentes consomem filmes, programas de TV, esporte, jogos, eBooks e conteúdo similar, piratas intencionais tendem a focar a reprodução ou download em filmes e séries.

Veja o estudo completo aqui.

Pirataria

Consumo de produtos piratas diminui, diz pesquisa da CNI

Entre 2013 e 2019, o percentual de brasileiros que afirmam que nunca compram produtos piratas subiu de 28% para 45%.

Sou Legal

Publicado

em

Por

Francisco Kroner / 140 Online

Uma das constatações da pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira, realizada pela Confederação Nacional da Indústria, é que a oferta de conteúdos com preços acessíveis tem impacto direto na redução da pirataria. Entre 2013 e 2019, o percentual de brasileiros que afirmam que nunca compram produtos piratas subiu de 28% para 45%.

Segundo a pesquisa, um dos fatores para a redução na compra de produtos piratas foi o surgimento de plataformas de streaming, que tornaram possível o acesso a músicas e filmes a preços menores, o que reduziu a demanda por CDs e DVDs no mercado clandestino.

A maior queda ocorreu entre aqueles que afirmam comprar essas mercadorias às vezes, caindo de 34% para 23% da população. O hábito, no entanto, é mais frequente entre os brasileiros mais jovens: 71% daqueles com idade entre 16 e 24 anos afirmam comprar produtos piratas, mesmo que raramente. O percentual cai para 28% entre os brasileiros com 55 anos ou mais.

A pesquisa foi realizada com 2 mil pessoas em 126 municípios. O período de coleta foi de 19 a 22 de setembro de 2019.

Continuar Lendo

Pirataria

Pondé: jovem que fala em ética é o mesmo que pratica pirataria

O Sou Legal conversou com o filósofo, escritor e professor Luiz Felipe Pondé sobre valores, ética e a incompatibilidade desses conceitos com a prática da pirataria.

Sou Legal

Publicado

em

Por

Francisco Kroner / 140 Online

O Sou Legal conversou com o filósofo, escritor e professor Luiz Felipe Pondé sobre valores, ética e a incompatibilidade desses conceitos com a prática da pirataria. Para Pondé, o fato de uma pessoa ter que justificar o que faz, já é prova de que o que se está fazendo não está certo. “Se é certo, a vocação é universal. Se não tem vocação universal, se não tem um esforço de ser para todos, já não é certo”, diz. Para o filósofo, a ética é uma questão prática. Só importa o que se faz, não o que se diz. “Ninguém é corajoso estudando coragem. Você só é corajoso diante do risco”. Por isso, o discurso de ser contra a corrupção se esvazia na hora em que, na prática, a pessoa baixa conteúdos ilegais na Internet. Veja a entrevista completa no vídeo.

Continuar Lendo

Trending