Siga-nos nas Redes Sociais

Pirataria

Anatel apreendeu mais de 3,3 milhões de produtos piratas em 2021

Apreensões de mercadorias piratas pela Anatel no ano passado fizeram parte do Plano de Ação de Combate à Pirataria (PACP)

Avatar photo

Publicado

em

anatel

Na semana passada, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou em seu portal oficial o número e uma lista dos produtos piratas apreendidos pela organização em 2021. Ao todo, foram mais de 3,3 milhões de itens de telecomunicações confiscados devido à falta de homologação junto à Anatel, e cujo valor de mercado foi estimado em mais de R$ 393 milhões.

Dentre as mercadorias apreendidas pela Anatel no ano passado e que constam na lista divulgada pela agência, podem ser destacados decodificadores de TV paga e SmarTV boxes, aparelhos que podem ser usados para a prática ilegal de pirataria audiovisual. No total, 168.432 decodificadores e 805.056 TV Boxes foram retirados de circulação pela Anatel por não cumprirem as normas de regulação da entidade.

Desde 2018, a agência foi responsável pela retenção de 4,2 milhões de produtos considerados ilegais e avaliados em R$ 475,8 milhões, o que significa que o combate aos produtos piratas por meio de ações deste tipo tem se intensificado com o passar dos anos. Uma possível razão para isso é o fortalecimento da relação entre Anatel e Receita Federal, além da capacitação dos agentes da entidade.

Os trabalhos de combate à pirataria conduzidos pela agência fazem parte do Plano de Ação de Combate à Pirataria (PACP), que tem realizado apreensões de mercadorias piratas em portos, aeroportos e serviços de entrega. Recentemente, a Anatel também passou a disponibilizar outras informações históricas do PACP em um painel de controle no próprio site da organização.

Para ler a notícia original, acesse o site teletime.

Antipirataria

Bloqueio administrativo na Espanha

Avatar photo

Publicado

em

Por

LaLiga e Movistar Plus+ vencem ação conjunta com bloqueio de IPTV até temporada 2025 de futebol espanhol

Ação conjunta movida na Espanha entre a LaLiga e Moviestar Plus+ vem ao encontro do que foi discutido no último Forum Pay TV 2022 e ponderado como o próximo passo no combate à pirataria no Brasil: o bloqueio administrativo, que não depende de autorização judicial.

De acordo com matéria do site TorrentFreak a liga de futebol LaLiga e a plataforma de TV por assinatura Movistar Plus+ venceram uma ação conjunta na Espanha que lhes permite bloquear serviços de IPTV até a temporada 2024/2025 de futebol.

Já em um segundo processo ganho pela Movistar Plus+, a plataforma pode informar semanalmente os ISPs locais de sites facilitadores de pirataria e os bloqueios serão realizados em até três horas.

Bloqueios aprimorados

A Movistar Plus+ e LaLiga tiveram uma vitória conjunta após ação no Tribunal Comercial nº 9 de Barcelona (Espanha), que verificou que os poderes de bloqueio de ISP aprimorados são necessários para proteger os direitos das empresas.

O Tribunal concordou que o bloqueio de ISP precisa ser mais ágil, o que não é possível se os pedidos necessitarem de ações judiciais para terem permissão, e proferiu uma decisão consentindo que LaLiga e Movistar Plus+ tenham essa facilidade. Uma vez que novos URLs, domínios e endereços de IP de serviços piratas sejam identificados como infratores dos direitos das empresas, o bloqueio ocorrerá semanalmente, sem necessidade de identificação prévia do Tribunal.

Processo da Movistar Plus+

Além do acordo com a LaLiga, a Movistar Plus+ detém direitos sobre as competições da UEFA e tem parceria com DAZN, Netflix, Disney+ e Prime Vídeo, entre outros.

Uma decisão proferida em julho pelo Tribunal Mercantil No 6 permite que a plataforma forneça instruções de bloqueio de IPTV pirata atualizadas continuamente para provedores de serviços de internet locais. O bloqueio deve ser feito, no prazo máximo, de três horas a partir da notificação da nova lista, que não precisa ser aprovada pelo tribunal e abrange todo o conteúdo da Movistar Plus+.

Sobre LaLiga e Moviestar Plus+

A LaLiga é a primeira divisão da liga espanhola de futebol profissional de clubes. Durante a temporada 2020/21, seus times atingiram receitas de quase 3,2 bilhões de euros, inclusive com ajuda da divisão antipirataria da empresa.

De propriedade da Telefónica, a Movistar Plus+ é a maior plataforma de assinatura de TV na Espanha e por meio do streamer esportivo DAZN, tem um acordo de transmissão de partidas da LaLiga até 2027.

LaLiga e Movistar já fizeram ações separadas para reduzir a pirataria do site de streaming de esportes Roja Directa e uniram-se à polícia para derrubar fornecedores de IPTV piratas, visando melhorar o bloqueio de ISP.

Continuar Lendo

Antipirataria

ABTA: combate à pirataria repercute no exterior

Avatar photo

Publicado

em

Por

Presidente da ABTA, Oscar Simões em entrevista para o site Leaders League

As ações de combate à pirataria no Brasil, com grandes operações de sucesso, têm sido repercutidas internacionalmente. O site Leaders League publicou entrevista com o presidente executivo da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), Oscar Simões, que respondeu sobre o combate e os desafios em relação aos avanços tecnológicos da pirataria e a sua prática ilegal.

Simões contou sobre a ação realizada em conjunto às polícias de vários Estados do Brasil e que a ABTA, para apoiar essa força-tarefa antipirataria, conta com quatro pilares: medidas técnicas, institucionais, judiciais e de comunicação, que tem dado resultados significativos.

Além disso, o presidente mostrou a importância das campanhas publicitárias que visam conscientizar a população sobre o tema, realizadas pela entidade em canais de TV aberta e paga, falou sobre os principais obstáculos no combate à pirataria no Brasil e deu um panorama do futuro da ABTA.

Continuar Lendo

Trending