Siga-nos nas Redes Sociais

Imprensa

Serviço pirata Set TV é extinto oficialmente nos EUA

Sou Legal

Publicado

em

Segundo reportagem do site Light Reading, o serviço de streaming Set TV foi oficialmente extinto no início de agosto pela justiça dos Estados Unidos.

Um tribunal da Califórnia condenou a empresa Set Broadcast a pagar indenizações de US$ 7,65 milhões por danos aos operadores oficiais. A sentença também proíbe o serviço de funcionar definitivamente, e interromper a comercialização do aparelho ST-110, um equipamento de streaming que era conectado às TVs dos usuários.

O Set TV cobrava US$ 20 mensais para permitir acesso a mais de 500 canais de televisão sem autorização, e cobrava US$ 89 pelo aparelho ST-110.

Os responsáveis pela empresa, Jason Labossiere e Nelson Johnson, não apresentavam argumentos na defesa, e o tribunal deu a sentença segundo o trâmite padrão nesses casos.

A ação contra a Set Brodcast foi movida em 2018 pela The Alliance for Creativity and Entertainment (ACE), um consórcio de empresas legais que inclui grandes programadoras, estúdios de TV e cinema e canais de televisão, além de serviços legítimos de OTT como Netflix, Amazon e Hulu.

A aliança ACE tem ajudado programadores e distribuidores dos EUA a conter a pirataria via streaming no país. Além da SET Broadcast, as ações da ACE levaram ao fechamento dos serviços TickBox e Dragonbox, que usavam as chamadas caixas Kodi para captar conteúdos de forma ilegal e criar serviços de TV por assinatura. Esses serviços tinham fachadas que pareciam legais, enganando muitos consumidores em busca de serviços baratos de TV.

A ACE está movendo ainda uma ação contra a Omniverse One World Television, que operava um serviço de OTT em parceria com uma empresa chamada HovSat, no estado de New Jersey. A empresa alega que tem um acordo de longa duração com a DirecTV que permite a distribuição de canais de TV pela internet.

A Set Broadcast foi encerrada inicialmente em junho, mas ainda deve responder a uma sentença de um tribunal na Flórida, que demanda pagamento de US$ 90 milhões em indenizações para as empresas Dish Network e NagraStar. Essa sentença também determinou que a Set Broadcast entregasse todos os equipamentos usados para retransmitir os sinais da Dish Network sem autorização.

O blog “Sou Legal” foi criado para informar e discutir os riscos e impactos do acesso ilegal aos canais de TV por assinatura.

Imprensa

Microsoft desmantela uma das maiores botnets da história, a Necurs

Sou Legal

Publicado

em

Por

Vários veículos de mídia, entre eles o Olhar Digital, divulgaram nesta terça-feira (10) o sucesso da operação coordenada pela Microsoft que desmantelou uma das maiores botnets da história, a Necurs, que controlava mais de 9 milhões de computadores infectados em todo o mundo.

A Necurs era uma das maiores redes de distribuição de spam do planeta. Um único computador da rede disparou nada menos do que 3,8 milhões de e-mails para 40,6 milhões de vítimas.

Para desmantelar a rede, a Microsoft e os seus 35 parceiros ao redor do mundo utilizaram um algoritmo capaz de analisar a técnica de criação de domínios da botnet e prever ações com antecedência. Graças a isso, foi possível descobrir de forma antecipada 6 milhões de domínios que seriam criados pelos próximos 25 meses. Essas informações foram reportadas, impedindo o registro dos endereços e evitando ataques futuros.

Os autores da Necurs registravam os domínios com antecedência e os utilizavam para hospedar os servidores de comando e controle da botnet. Era a esse endereço que os computadores infectados se conectavam para receber seus comandos. Ao tomar controle dos domínios, foi possível impedir que as máquinas impactadas obtivessem novas instruções, efetivamente desmantelando a rede.

A operação foi resultado de um planejamento que durou 8 anos. Acredita-se que a rede fosse operada por cibercriminosos na Rússia.

https://olhardigital.com.br/fique_seguro/noticia/microsoft-e-parceiros-desmantelam-rede-com-9-milhoes-de-pcs-zumbis/97877

Continuar Lendo

Imprensa

Ligas esportivas fazem apelo anti-pirataria em audiência pública nos EUA

Sou Legal

Publicado

em

Por

O Escritório de Comércio dos Estados Unidos (Office of the United States Trade Representative, USTR) promoveu audiências abertas no final de fevereiro com o objetivo de identificar os países que não oferecem proteção adequada à propriedade intelectual e direitos autorais, e incluir essas nações no relatório “2020 USTR Special 301”, que deve ser publicado até o final deste ano. Empresas e associações de vários países participaram das audiências públicas.

Segundo notícia do site especializado Piracy Monitor, um grande número de empresas de mídia, ligas de esportes, grupos industriais e agências governamentais ao redor do mundo pediram a inclusão de vários países no relatório deste ano. O destaque foi a Arábia Saudita, alvo de muitas reclamações dos proprietários de direitos autorais.

Segundo a Digital TV Europe, a Arábia Saudita deve permanecer no topo da lista de países que violam direitos autorais de transmissão de eventos esportivos. A FIFA, o Comitê Olímpico Internacional (IOC), a UEFA e várias ligas esportivas dos Estados Unidos pediram ao USTR que mantenha o reino árabe em destaque no relatório contra a pirataria de eventos esportivos. A Arábia Saudita foi incluída na lista em 2019, depois de vários anos de operação da rede pirata beoutQ, que opera no distrito al-Qirawan da capital Riad. Apesar de não haver uma confirmação oficial, muitos acreditam que a beoutQ é apoiada e financiada pelo próprio governo saudita.

Entre as organizações esportivas que apresentaram suas queixas e sugestões nas audiências do USTR estão: a Premier League britânica, a Sports Coalition (um grupo de associações esportivas americanas que reúne a NFL, a NBA, a Major League Baseball e a National Hockey League), UEFA e La Liga.

Além das organizações esportivas, participaram das audiências do USTR as empresas de mídia Miramax e beIN Media Group; e as associações setoriais Asia Video Industry Association e Audiovisual Anti-Piracy Alliance.

É possível ver todos os documentos apresentados pelos participantes da audiência de 26 de fevereiro de 2020 neste link. O relatório do USTR de 2019 sobre o tema pode ser visto aqui.

O caso da operação pirata saudita beoutQ é visto como o mais grave pela maioria absoluta dos participantes das audiências públicas. Mas não é o único caso preocupante para as empresas de mídia, distribuidores e detentores de direitos autorais. Os documentos apontam também grandes operações de pirataria na China, Holanda, Rússia, Hong Kong, Indonésia, Filipinas, Cingapura, Taiwan, Tailândia, Vietnã e Suíça.

De acordo com os comentários enviados pela Audiovisual Anti-Piracy Alliance (AAPA), o site pirata LiveHD7 da Arábia Saudita oferece streams de eventos esportivos via web ou redes sociais, e cancela os links depois que o jogo acaba. Existe também o EVDTV, que usa a rede do aplicativo do beoutQ e também a Google Play Store para oferecer acesso ilegal a 3.900 canais de TV.

Continuar Lendo

Trending