Siga-nos nas Redes Sociais

Pirataria

2019 foi marcado por grandes operações contra a pirataria de TV

Sou Legal

Publicado

em

Francisco Kroner / 140 Online

De acordo com reportagem do site Torrent Freak, os sites de pirataria de conteúdo de TV foram alvo de grandes operações durante todo o ano de 2019. A reportagem lista quase 20 dessas operações anti-pirataria ao longo do ano passado, contra grupos que atendiam milhões de usuários em diversos países do mundo.

A questão sobre o fechamento de sites e redes de compartilhamento é cercada por polêmicas, já que em vários casos as redes foram criadas originalmente para compartilhar conteúdos dos próprios usuários. Mas é fato que os criminosos se aproveitam justamente dessas infraestruturas legítimas para criar operações ilegais de distribuição de conteúdo furtado.

Alguns destaques do ano, segundo a reportagem do Torrent Freak:

Em janeiro, uma operação fechou a plataforma Reddit’s /r/soccerstreams. A rede era parte do popular site de fóruns temáticos Reddit e foi criada para discutir futebol, com mais de 420.000 assinantes. A plataforma permitia que os usuários postassem links para jogos ao vivo, que podiam ser assistidos de graça. O site foi inundado por queixas dos detentores oficiais dos direitos de transmissão, exigindo a remoção dos links. Os administradores do Reddit informaram aos usuários para não postarem mais esses links, mas a plataforma acabou sendo fechada.

Em maio, o serviço pirata de IPTV OneStepTV foi fechado por uma ação legal da Alliance for Creativity and Entertainment. O OneStepTV chegou a oferecer 600 canais de TV e 20.000 itens de vídeo on-demand por US$ 25 ou menos. No mesmo mês, o popular site de IPTV Vader também foi derrubado pela equipe da Alliance for Creativity, e seus responsáveis enfrentam um processo de indenização de US$ 10 milhões movido pelas empresas.

Em junho, uma parceria entre a Europol e a Audiovisual Anti-Piracy Alliance (AAPA) realizou uma operação contra uma rede de operadores piratas de IPTV, sediados na Bulgária. A rede tinha cerca de 700.000 assinantes ao redor do mundo. A polícia europeia não revelou os detalhes da operação e nem os nomes das pessoas detidas.

Em setembro, a rede Manga Rock foi encerrada. A rede era vista como uma operação menor no sistema de pirataria, mas as autoridades e associações descobriram que a Manga Rock era um serviço de pirataria de TV mais popular que o The Pirate Bay na Europa.

Também em setembro, uma grande operação envolvendo equipes policiais da Itália, Holanda, França e Bulgária levou ao fechamento da mega-rede Xtream Codes, umas das maiores plataformas europeias de pirataria de canais de TV na internet. Mais de 180 servidores foram apreendidos e dezenas de pessoas foram presas. O Xtream Codes reunia cerca de 5.000 serviços de IPTV e tinha quase 50 milhões de clientes.

Em outubro, o site alemão Share-Online.biz se tornou alvo de uma operação anti-pirataria. A plataforma era a mais popular na Alemanha, e tinha entre seis e dez milhões de usuários. A partir de uma ação do grupo anti-pirataria GVU, o site foi fechado na Alemanha, França e Holanda. A operação prendeu três suspeitos de comandar a rede de pirataria.

Em novembro, o site tailandês Movie2free.com foi fechado pela polícia do país, depois de uma queixa movida pela Motion Picture Association. O site tinha milhões de views por dia, e era um dos maiores sites de pirataria de programas de TV e filmes do mundo.

E também em novembro, uma coalização das grandes operadoras de TV e estúdios de cinema dos EUA conseguiu fechar o site Omniverse One World Television. A plataforma tentou se defender, dizendo que mantinha acordos legítimos de licença, mas a ação não concordou com a alegação. O site foi processado em US$ 50 milhões, e foi encerrado definitivamente no final do ano.

Pirataria

Operadora de TV pede ajuda ao Google contra pirataria de IPTV

Sou Legal

Publicado

em

Por

Francisco Kroner / 140 Online

As empresas de TV por assinatura estão buscando a ajuda de aliados poderosos em sua ação contra a pirataria de IPTV / conteúdo: os sites de busca, que são muito usados pelos criminosos para popularizar o acesso ilegal aos programas de televisão.

De acordo com o site especializado Tudo em Tecnologia, a operadora mundial de TV paga via satélite Sky pediu ao Google que excluísse uma lista de 500 sites irregulares de IPTV, facilmente encontráveis no sistema de busca. Esses sites de IPTV violam direitos autorais, compartilhando conteúdos exclusivos e afetando a audiência e o faturamento dos sites legítimos. Desde meados de 2019, a indústria brasileira de TV paga também já faz uso do “delisting” no google search.

Os sites de busca e as redes sociais têm se mostrado dispostos a concordar com esses pedidos das empresas que controlam conteúdos de forma legítima. A colaboração com os gigantes de busca pode ser uma ferramenta importante no combate à pirataria.

No mês de Setembro de 2019, uma operação policial na Itália foi capaz de derrubar o site Xtream-Codes, levando o mercado da pirataria de IPTV cair em 50%. Mas um desses sites ilegais voltou novamente ao ar e levou a Sky Itália a investir novamente em seu acordo com a gigante de buscas da internet. Infelizmente, esse tipo de ação costuma durar pouco, sendo necessária outras ações para ao menos controlar a situação.

Como prova de um crescimento iminente em termos de pirataria, o Relatório Global de Fenômenos da Internet 2019 da Sandvine informou que os consumidores que não podem se dar ao luxo de assinar todos os diferentes serviços compartilham arquivos para ter acesso ao conteúdo original mais recente. As empresas legítimas estão mudando suas estratégias para tornar o acesso ao conteúdo legalizado mais acessível para os consumidores.

Continuar Lendo

Pirataria

Ano começa com ações contra pirataria de TV

Sou Legal

Publicado

em

Por

Francisco Kroner / 140 Online

O novo ano começou com o desmantelamento de redes de pirataria de TV em vários pontos do mundo.

Segundo notícia do site Event News Asia, o site indoXXi, um dos mais populares portais de pirataria de TV do mundo, foi permanentemente encerrado no dia 1º de janeiro.

O grupo indoXXi é sediado na Indonésia e controlava um grande número de sites e aplicativos de pirataria de conteúdo. No primeiro dia do ano, o portal passou a apresentar a mensagem: “Feliz Ano Novo 2020. A partir de hoje, nosso site não estará mais acessível, incluindo o aplicativo Indoxxi. Obrigado por ser um espectador fiel do INDOXXI até hoje, sempre apoie a indústria criativa a se tornar mais avançada no futuro. Saudações, INDOXXI.” A mensagem foi repetida nas redes sociais do grupo.

Vários sites de streaming do indoXXi já estão fora do ar, mas alguns ainda permanecem operacionais, transmitindo conteúdo pirateado de canais da Indonésia e de emissoras internacionais. Segundo a firma de análise de popularidade online, o IndoXXi é o 721º site mais popular do mundo, e está entre os 100 sites mais populares na região que inclui a Indonésia, Malásia, Japão, Cingapura, Filipinas e Taiwan.

Segundo um estudo realizado pela organização YouGov, 63% dos indonésios acessam sites de pirataria de TV, e isso levou o governo do país a promover uma campanha contra esse tipo de atividade ilegal, tirando os sites do ar e processando seus responsáveis. Segundo o ministro das comunicações da Indonésia, Johnny Plate, a pirataria de televisão tem um impacto negativo na imagem do país. O ministro disse que o governo busca melhorar essa percepção, o que inclui proteger os direitos dos proprietários do conteúdo.

O diretor de relações públicas da polícia nacional da Indonésia, Asep Adi Saputra, declarou que a polícia apoia totalmente a ação realizada pelo ministério das comunicações do país. As associações de vídeo e cinema da Indonésia também manifestaram apoio à campanha contra os sites de pirataria de TV. A organização Video Coalition of Indonesia (VCI) está colaborando diretamente com o ministério nessa ação.


África do Sul

Já no país africano, um suspeito foi preso no final de 2019 na Cidade do Cabo, acusado de vender acesso ilegal de conteúdos de canais de TV pela internet.

Segundo informa o site Broadband TV News, o homem detido vendia assinaturas falsas da operadora de TV por assinatura MultiChoice South Africa, além de canais de várias operadoras internacionais.

Na África do Sul, a legislação conhecida como Copyright and Electronic Communications and Transactions Acts classifica com crime distribuir sinal de TV sem o consentimento dos detentores dos direitos autorais.

Continuar Lendo

Trending